Saiba como alterar o certificado digital

Saiba como alterar o certificado digital

Este artigo é destinado a empresas de TI ou desenvolvedoresde software que pretendem utilizarem a API do Super Fiscal para emissão de nota fiscal eletrônica.

Utilize nossa API para emitir notas fiscais pelo seu software. Compatível com Notas Fiscais (NFe), serviço (NFSe) e ao consumidor (NFCe), para todos os estados brasileiros, mais informações comerciais sobre o nosso produto em: www.superfiscal.com.br

01.jpg

 

Todos os anos você deverá alterar o certificado digital no Super Fiscal, note que o certificado digital tipo A1 é válido por um ano.

É importante mencionar que caso tenha mais de uma empresa cadastrada no Super Fiscal com o mesmo certificado, neste caso, provavelmente você terá que atualizar todas as empresas.

Para alterar o seu certificado digital você deverá ter em mãos o arquivo .pfx , lembre-se que o Super Fiscal utiliza o certificado tipo A1. Abaixo os pré-requisitos para alteração do certificado:

  1. Certificado digital tipo A1 no formato .pfx (Caso não saiba o que é clique aqui);
  2. Senha do certificado digital

A empresa que vendeu o certificado a sua empresa pode auxiliar você caso tenha dúvidas.

Pronto? Então vamos lá :

  1. Acesse o Super Fiscal;
  2. Clique na opção Empresa > Consultar, em seguida selecione a opção “Certificado Digital” conforme a imagem a seguir:como-alterar-certificadodigital.png
  3. Após acessar a tela do certificado, clique em Upload do Certificado .pfx 
  4. E prontinho, o seu certificado já foi atualizado no Super Fiscal.
  5. Confira agora se a senha do certificado atualizado é a mesma do anterior, caso não, será necessário alterar a senha do certificado que consta no Super Fiscal, para isto, clique em Configurar Nota Fiscal e altere a senha do certificado, note que esta opção é acessível na tela de consulta de empresa.como-alterar-certificadodigital.png

Talvez você tenha interesse em ler:

 

Quer saber como emitir a nota fiscal eletrônica? www.superfiscal.com.br

 

 

 

 

 

 

 

Aprenda como gerar o arquivo remessa

Aprenda como gerar o arquivo remessa

 

Este artigo é destinado para usuários do Pagamento Ágil.

O Pagamento Ágil é perfeito para o gerenciamento de cobranças recorrentes, saiba mais em: www.pagamentoagil.com.br

Robert2.PNG


 

Se você não leu os artigos abaixo, recomendamos as leituras antes de prosseguir:

O arquivo de remessa pode ser gerado de duas formas:

  1. Gerado automaticamente pelo software: Neste caso, o Pagamento Ágil gera o arquivo remessa sempre que o mesmo identificar que existe um novo boleto criado no sistema, este processo é realizado sempre as 19:00hs do dia útil.
  2. Gerado manualmente, neste caso o arquivo remessa deve ser gerado sempre que forem criadas novas cobranças, basicamente o processo é muito simples, para isto, acesse a opção Cobrança > Arquivos > Arq. remessa e clique no botão Gerar arquivo CNAB400 ou CNAB240.

Ao gerar o arquivo faça o download e envie para o seu banco via internet, se tiver dúvidas quanto a isso informe-a ao gerente do seu banco.

Quer melhorar a cobrança de sua empresa? www.pagamentoagil.com.br

 

 

 

Aprenda como configurar o layout de arquivo remessa CNAB400

Aprenda como configurar o layout de arquivo remessa CNAB400

Este artigo é destinado para usuários do Pagamento Ágil.

O Pagamento Ágil é perfeito para o gerenciamento de cobranças recorrentes, saiba mais em: www.pagamentoagil.com.br

Robert2.PNG


 

Para configurar o layout de arquivos CNAB400 , clique em Empresas > Em seguida no menu ações clique em Conta-Corrente (dados bancários) . Ver imagem a seguir.

cnab400.PNG

No campo Arq. Remessa selecione CNAB400.

Artigos relacionados:

 

Conheça a plataforma de cobranças Pagamento Ágil! www.pagamentoagil.com.br

 

725 – NFC-e com CFOP inválido

725 – NFC-e com CFOP inválido

Motivo do problema:

Quando for emitida uma NFC-e e o CFOP do(s) produto(s) for diferente da lista abaixo, será retornado a rejeição “725 – NFC-e com CFOP inválido”:

  • 5.101 – Venda de produção do estabelecimento;
  • 5.102 – Venda de mercadoria de terceiros;
  • 5.103 – Venda de produção do estabelecimento efetuada fora do estabelecimento;
  • 5.104 – Venda de mercadoria adquirida ou recebida de terceiros, efetuada fora do estabelecimento;
  • 5.115 – Venda de mercadoria adquirida ou recebida de terceiros, recebida anteriormente em consignação mercantil;
  • 5.405 – Venda de mercadoria adquirida ou recebida de terceiros em operação com mercadoria sujeita ao regime de substituição tributária, na condição de contribuinte substituído;
  • 5.656 – Venda de combustível ou lubrificante de terceiros, destinados a consumidor final;
  • 5.667 – Venda de combustível ou lubrificante a consumidor ou usuário final estabelecido em outra UF;
  • 5.933 – Prestação de serviço tributado pelo ISSQN.

 

Solução do problema:

Ajuste o CFOP no cadastro do produto adequadamente conforme mostrado acima.

Procurando um software para emissão de NFC-e? www.superfiscal.com.br

Artigos relacionados:

o que é CFOP?

Tabela CFOP – Código Fiscal de Operações e Prestação

Como proceder com cancelamento de uma nota fiscal (venda)?

Como proceder com cancelamento de uma nota fiscal (venda)?

Sim, é possível anular uma venda e uma nota fiscal eletrônica.

Antes de tudo é importante obter orientação do seu contador para proceder com a operação a seguir.

Observações do software Super Fiscal:

Para esta operação é necessário solicitar ao contador qual o modelo do documento (nota) utilizará, exemplo: NF-e ou NFC-e.

 

Se você está recebendo uma devolução (Entrada)

Operação CFOP Dentro
do Estado
CFOP Fora
do Estado
Devolução de Venda de Produção do estabelecimento 1201 2201
Devolução de Mercadoria adquirida ou recebida de terceiros 1202 2202
Devolução de produção do estabelecimento, remetida em transferência 1208 2208
Devolução de mercadoria adquirida ou recebida de terceiros, remetida em transferência 1209 2209
Devolução de venda de produção do estabelecimento em operação com produto sujeito ao regime de substituição tributária 1410 2410
Devolução de venda de mercadoria adquirida ou recebida de terceiros em operação com mercadoria sujeita ao regime de substituição tributária 1411 2411
Entrada decorrente de devolução de produto remetido com fim específico de exportação, de produção do estabelecimento 1503 2503
Entrada decorrente de devolução de mercadoria remetida com fim específico de exportação, adquirida ou recebida de terceiros 1504 2504
Entrada decorrente de devolução simbólica de mercadorias remetidas para formação de lote de exportação, de produtos industrializados ou produzidos pelo próprio estabelecimento 1505 2505
Entrada decorrente de devolução simbólica de mercadorias, adquiridas ou recebidas de terceiros, remetidas para formação de lote de exportação 1506 2506
Devolução de venda de bem do ativo imobilizado 1553 2553
Devolução de mercadoria remetida em consignação mercantil ou industrial 1918 2918
Devolução simbólica de mercadoria vendida ou utilizada em processo industrial, remetida anteriormente em consignação mercantil ou industrial 1919 2919

Se você está devolvendo a mercadoria (Saída)

 
Operação CFOP Dentro
do Estado
CFOP Fora
do Estado
Devolução de Compra para Industrialização 5201 6201
Devolução de Compra para Comercialização 5202 6202
Devolução de Mercadoria recebida em transferência para comercialização 5209 6209
Devolução de Compra para utilização na prestação de serviço 5210 6210
Devolução de compra para industrialização em operação com mercadoria sujeita ao regime de substituição tributária 5410 6410
Devolução de compra para comercialização em operação com mercadoria sujeita ao regime de substituição tributária 5411 6411
Devolução de mercadoria recebida com fim específico de exportação 5503 6503

Interessado em imprimir nota fiscal eletrônica? Conheça nossa API www.superfiscal.com.br

Artigos relacionados:

 

EPEC bloqueado por Pendência de Conciliação

Este artigo é destinado aos usuários do Super Fiscal

Utilize nossa API para emitir notas fiscais pelo seu software. Compatível com Notas Fiscais (NFe), serviço (NFSe) e ao consumidor (NFCe), para todos os estados brasileiros, mais informações comerciais sobre o nosso produto em: www.superfiscal.com.br

Integração para qualquer linguagem de programação.


EPEC bloqueado por Pendência de Conciliação

Ambiente de Contingência EPEC bloqueado para Emitente.

Isso pode ocorrer quando existir algum EPEC pendente de conciliação no Ambiente Nacional. Quando é registrado um evento de EPEC, o Emissor tem 7 dias para fazer a conciliação, ou seja, obter a autorização do EPEC na Sefaz Estadual. Quando isso ocorre, a Sefaz Estadual faz a conciliação do documento no Ambiente Nacional.

Diariamente será efetuada uma avaliação dos “EPEC Pendente de Conciliação” há mais de 168 horas (7 dias) pela Sefaz, bloqueando o Ambiente de Contingência do EPEC para o Emitente com pendência. A partir deste momento, o Emitente não conseguirá obter autorização de novas EPEC, enquanto não regularizar a situação dos “EPEC Pendentes de Conciliação”.

Solução/Procedimentos

Liberando a Emissão de EPEC

Somente a Sefaz pode remover as pendências e liberar a emissão de EPEC novamente. Se o seu CNPJ está bloqueado, entre em contato com a Sefaz do seu Estado.

Por que isso acontece?

O Emitente pode ter enviado uma NF-e com Tipo de Emissão Normal, mas inicialmente o WebService da Sefaz estava instável ou indisponível.

A Sefaz pode ter recebido o documento em modo Normal mas no meio da transação ocorreu alguma falha no seu sistema e a conexão foi interrompida. Neste caso, a Sefaz recebeu o lote, mas não conseguiu devolver o Recibo.

Mais tarde a Sefaz Estadual restabelece/normaliza os seus serviços e aquela NF-e, que havia sido recebida, mas ainda não estava autorizada, é finalmente autorizada com tipo de emissão Normal  :-/

Links relacionados:

Rejeição 539: Duplicidade de NF-e, com diferença na Chave de Acesso

 

O básico para se trabalhar com boletos bancários!

Este artigo é destinado aos usuários do Pagamento Ágil.

O Pagamento Ágil é perfeito para o gerenciamento de cobranças recorrentes, saiba mais em: www.pagamentoagil.com.br

Robert2.PNG

O básico para se trabalhar com boletos bancários!

Entendendo um pouco mais sobre boleto

Um boleto bancário (ou simplesmente boleto ou, ainda, bloqueto) é um documento largamente utilizado no Brasil como instrumento de pagamento de um produto ou serviço prestado. Através do boleto, seu emissor pode receber do pagador o valor referente àquele pagamento.

No ponto de vista administrativo, o boleto bancário poderá ser a forma mais barata e de fácil adesão por seus clientes, uma vez que qualquer pessoa de posse de um boleto poderá realizar o pagamento. Contudo, o reconhecimento do pagamento do boleto não é imediato.

Não é o foco deste artigo, mas é recomendável que entenda alguns conceitos antes de iniciar o trabalho com boletos.

  • Carteira de cobrança – É um serviço contratado junto ao banco, para gerar boletos bancários. Através dela é feita a identificação dos pagamentos e estes são creditados direto na sua conta bancária.
  • Boleto registrado – Os boletos de cobrança registrados são gerados pelo cedente e as informações do documento (sacado, valor e data de vencimento) são enviadas para o banco através de um arquivo de remessa. Estes dados são gerenciados pela instituição financeira que pode realizar serviços como o protesto de títulos quando inadimplentes. Neste caso, a taxa do boleto é cobrada do cedente pelo banco no momento em que o arquivo de remessa é registrado pelo banco.

Pré-requisitos para se trabalhar com boletos no Pagamento Ágil

A partir do momento que você gera uma cobrança no Pagamento Ágil, por padrão o software já habilita como forma de pagamento desta cobrança a emissão do boleto para o cliente (sacado) proceder com o pagamento.

Alguns cuidados devem serem tomados antes da liberação do software em ambiente de produção da sua empresa.

  1. É essencial a homologação do boleto junto ao banco.
  2. Faça um teste antes da compensação do boleto.
  3. Faça um teste dos arquivos de remessa do boletos.

Após obter sucesso nos itens acima , você estará apto para iniciar as atividades no software.

Como funcionam os registros dos boletos no meu banco?

Basicamente quando haverem novos registros de boletos, o software enviará a você um e-mail informando a criação de um  arquivo remessa , o que você deverá fazer é o download deste arquivo e em seguida , o upload do arquivo no software do seu banco via internet. Note que a partir daí você obterá os registros dos boletos.

Como funciona a baixa eletrônica dos pagamento dos boletos?

A partir do momento em que os boletos são liquidados no banco , o mesmo disponibilizará um arquivo de retorno para você. Neste caso, você deverá subir o arquivo de retorno no software Pagamento Ágil.

Não deixe de ler os artigos abaixo:

 

O Básico que você precisa saber!

Este artigo é destinado aos usuários do Pagamento Ágil.

O Pagamento Ágil é perfeito para o gerenciamento de cobranças recorrentes, saiba mais em: www.pagamentoagil.com.br

Robert2.PNG

O Básico que você precisa saber!

Este artigo visa orientar o básico para você usuário do Pagamento Ágil, trataremos aqui de alguns conceitos e algumas práticas mais comuns para que inicie a sua cobrança com o pé direito.

Acessando o software pela primeira vez!

Após à aquisição do software junto ao nosso comercial, estando tudo pronto, faça o seu primeiro acesso, para isto, clique na opção Assinantes localizada no site www.pagamentoagil.com.br

Onde cadastro a minha empresa?

Para que possa emitir cobranças, você necessita antes cadastrar a sua empresa (cedente), para isto, localize a opção Empresa > Incluir., note que você poderá cadastrar várias empresas.

Na verdade, você não precisará necessariamente ter várias empresas ou vários CNPJ ,  contudo, muitos usuários cadastram mais de uma empresa quando possuem duas ou mais contas-correntes.

Percebe que é possível você movimentar várias contas-correntes através de um cadastro múltiplo de empresas…

O conceito de empresa e cedente são iguais para o software , ou seja, ambos são os beneficiários das cobranças.

Entendendo o conceito de cobranças

O Pagamento Ágil entende que a cobrança é o título a ser cobrado de um cliente (sacado) , este título pode ser originado de uma compra de produtos, e compra de serviços,  assinatura de serviços, mensalidades e muito mais…

Uma cobrança poderá ser única, poderá ser múltipla ou recorrente, por exemplo, uma assinatura seria entendida dentro do domínio do software como sendo uma cobrança recorrente (programação de cobranças).

É errado pensar que uma cobrança é igual a um boleto.

Um cobrança não necessariamente é um boleto, note que a cobrança pode ser paga através de cartão de crédito, cartão de débito, boletos e transferência bancária (se disponível).

Então presumimos que boleto é uma forma de pagamento de uma cobrança e não uma cobrança, assim como cartão de crédito e outras.

É importante lembrar também que uma cobrança poderá gerar vários boletos , ou várias transações frustradas de pagamento com cartão, contudo a mesma nunca perderá o seu valor inicial, ou seja, ela permanecerá no seu estado aberto (vencido) , pago (quitada) ou podendo ser cancelada com a intervenção do usuário.

nivel-pagamento-agil.PNG

Um cobrança gera um ou vários boletos ou uma ou várias transações eletrônicas de cartão.

formas-de-pagamento.PNG

Entendendo os tipos de cobrança quanto a sua origem

No Pagamento ágil a cobrança poderá ser gerada de 3 (três) formas, notem no diagrama abaixo que o resultado e o formato são os mesmos, contudo, a diferença está relacionada apenas com a forma de sua criação e estratégia.

tipos-cobrança.PNG

  • Cobrança manual –  Através do front-end do Pagamento Ágil , você poderá criar uma cobrança , acessando a opção Cobrança > Incluir ,  use este modelo de cobrança para receber valores de compras não recorrentes, por exemplo, receber um pagamento único, o esforço será mínimo neste caso.
  • Cobrança programada Ainda usando o front-end do Pagamento Ágil, você poderá programar a criação de uma ou várias cobranças de tal forma que as mesmas serão geradas em um ciclo de recorrência que você determinará.
    Esta opção pode ser utilizada para gerenciamento de mensalidades, pagamentos parcelados entre muitos outros que necessitam de uma recorrência.

    • O Tipo de recorrência você poderá escolher da forma como desejar , por exemplo, recorrência anual, mensal , quinzenal …. E a quantidade de cobranças você poderá determinar também, por exemplo: Configurar uma recorrência mensal e gerar uma quantidade de cobrança igual a 6 (seis), note ai que o sistema gerará cobranças mensalmente e até atingir a quantidade de cobranças igual a 6 meses.
  • Cobrança transacional – As cobranças transacionais são geradas a partir das nossas API (web services), e são totalmente compatíveis com qualquer software.
    • As cobranças transacionais são uma excelente opção para integração de lojas e-commerce ou plataformas financeiras que necessitam agregar tecnologia de cobrança.

Entendendo o fluxo de avisos de cobranças

O Pagamento Ágil emite avisos por SMS e E-mail gratuitamente para os clientes (sacados) das cobranças geradas, estes avisos são criados a partir do momento em que a cobrança é criada ou próximo do seu vencimento, note que não requer esforço do usuário para este tipo de atividade, contudo, o sistema ainda oferece opções de envios manuais de cobranças.

Deseja dá um UP na cobrança da sua empresa? www.pagamentoagil.com.br

Artigos recomendados:

Pagamento Ágil – Primeiros passos!

 

 

 

Pagamento Ágil – Primeiros passos!

Este artigo é destinado aos usuários do Pagamento Ágil.

O Pagamento Ágil é perfeito para o gerenciamento de cobranças recorrentes, saiba mais em: www.pagamentoagil.com.br

Robert2.PNG

Primeiros passos para você que acabou de chegar!

Neste ponto é comum lidarmos com os usuários novatos que querem de forma imediata imprimir seus boletos e iniciar a sua cobrança, contudo, incentivamos a leitura deste artigo e principalmente alertamos você que está acabando de chegar para homologar o boleto (sua principal fonte de recebimento) junto ao banco.

Problemas comuns como tarifas bancárias acima do mercado, problemas na compensação do boleto uma vez que dados não estão confiáveis e ou homologados podem serem evitados ao fazer esta homologação.

Lembrando que a homologação deverá ser realizada para todas as contas-correntes que possuir.

Uma vez esclarecida a importância de se precaver, vamos colocar as mãos na massa.

Para acessar o software pela primeira vez, abra o navegador de internet e digite http://www.pagamentoagil.com.br, em seguida, clique na opção ASSINANTES.

Use para acessar o seu e-mail e senha que cadastrou anteriormente no site do Pagamento Ágil, lembrando que o acesso não é automático, deve haver antes uma intervenção do comercial do software para habilitar a sua conta de acesso.

Cadastre a sua empresa (a cedente das cobranças)

Ao acessar o software , confira se a sua empresa já está devidamente cadastrada no software, caso não , INCLUA a sua nova empresa, para isto, use o menu para navegação.

Alguns aspectos são muito importantes neste ponto, o primeiro é saber se a sua empresa já está apta para emitir boleto bancário junto ao seu banco. Para isto, será necessário entrar em contato com o gerente da sua conta-corrente, a partir daí , algumas informações são fundamentais para a emissão de boleto, são elas:

dados-bancarios.PNG

Antes de emitir boletos,  se faz necessário fazer a homologação dos dados da sua empresa e boletos junto a gerência do seu banco.

Visando proporcionar total segurança no seu negócio é indispensável que realize a homologação do boleto junto ao seu banco, para isto, conte sempre com o apoio do nosso suporte técnico.

Cadastrando o primeiro SACADO ou CLIENTE.

Faça um cadastro de um cliente, podendo ser você mesmo para fazer testes de boletos no software, para isto, use a opção de menu Clientes > Incluir.

Gerando a primeira cobrança

Utilizando o menu clique em Cobranças > Incluir, em seguida cadastre uma cobrança exemplo, após o cadastramento da cobrança, emita o boleto e dê início a homologação junto ao seu banco.

Você pode se interessar em dar uma leitura em:

Super Fiscal – Como imprimir um DANFE no emissor de cupom fiscal?

Este artigo é destinado aos usuários do Super Fiscal

Super Fiscal – Como imprimir um DANFE no emissor de cupom fiscal?

Simmm, é possível imprimir o DANFE diretamente do emissor do cupom não fiscal instalada diretamente no micro do seu cliente.  (impressora não fiscal)

O Super Fiscal é um aplicativo WEB, através dele é possível obter uma url para visualização rápida do DANFE, note que até este momento não há necessidade de instalação de nenhum componente, isso é bom e prático, contudo, ainda existe uma demanda para utilização do emissor de cupom (impressora de cupom).

O DANFE (web) do Super Fiscal traz um layout avançado, contudo a sua interface  o emissor de cupom fiscal não conseguirá entender, resultando em um erro de impressão.

Com foco nesta necessidade, criamos um programa (.exe) que rodará no micro do cliente, desta forma, as barreiras de impressão serão minimizadas.

Note o seguinte, você deverá instalar no micro do seu cliente este aplicativo que criamos, nós o chamamos de imprimedanfe.exe, além disso, certifique-se antes se o seu cliente já instalou a impressora de cupom no Spooler do Windows, para isto, será necessário adquirir os drivers do fabricante do dispositivo em questão.

Segue o pré-requisito do imprimedanfe.exe:

.Net Framework 4.x instalado no cliente , geralmente este  já é nativo do Windows 10 em diante.

1o PASSO – Instale no Spooler do Windows (instalação normal de uma impressora) , o emissor ou impressora de cupom.

2o PASSO – é fazer o download e a instalação do software do imprimedanfe.exe para impressão do DANFE, Para isto, segue o link: https://dev69-my.sharepoint.com/:u:/g/personal/suporte_animalcode_com_br/EQRLuc3g_fZLs8C9rbp0f5oBqs3nwDVhdT7-AgQvGWBaeA?e=QtISSN

Após o software ser instalado no micro do seu cliente, a sua aplicação WEB deverá executar o arquivo imprimedanfe.exe localizado na pasta onde instalou o programa, juntamente com alguns parâmetros.

Veja como deve funcionar o fluxo para impressão do DANFE:

esquema_do_imprime-danfe.PNG

Lembre-se de executar o imprimedanfe.exe da seguinte forma:

imprimedanfe.exe URL_DE_RETORNO_XML VALOR TIPOPAG
  • URL_DE_RETORNO – Use a url do XML que o serviço retorna.
  • VALOR – Informe o valor para ser impresso no CUPOM.
  • TIPOPAG – É a forma de pagamento, use por exemplo 1 para dinheiro …

FormaPagamento.png

Calma ai, vamos entender um pouco mais.

Por exemplo, se vc instalou o programa em: C:\Program Files (x86)\SuperFiscal

O seu aplicativo deve executar algo semelhante a isso:

exemplo.PNG

O resultado será um software que irá solicitar qual impressora deverá ser impresso o danfe…

telalogin.png

Deseja conhecer a nossa API para emissão de nota fiscal eletrônica? www.superfiscal.com.br

Talvez você tenha interesse em dar uma lida em:

Guia do desenvolvedor – Como utilizar a API para emitir a nota fiscal eletrônica – Parte I